OS 100 TRIALS QUE MUDARAM A HISTÓRIA DA ONCOLOGIA

R$330,00 Você pode se tornar um Cliente - Clube do Leitor e comprar esse item no valor de R$264,00

DESCONTO ESPECIAL PARA MEMBROS DO CLUBE DO LEITOR 

Formato: 17×24 CM

Cor: 4 cores

Total de páginas: 504

Acabamento: capa dura

Papel de miolo: couchê 90grs

ISBN: 978-65-86098-27-3

Categoria:

Descrição

Múltiplos fatores contribuem para a complexidade da prevenção e do tratamento em
Oncologia. Uma pergunta frequente e, muitas vezes, geradora de angústia para
pacientes e médicos é: “Qual o melhor tratamento para o meu tumor?”. Na tomada de
decisão e planejamento terapêutico são muitas as variáveis a serem consideradas.

Nesse cenário, a aplicação de dados advindos da melhor evidência disponível na li-
teratura médica é absolutamente necessária e recomendável. O aumento expressivo da

eficácia do tratamento oncológico ocorreu justamente graças a avanços nas áreas de
prevenção, ao diagnóstico precoce e à integração entre modalidades terapêuticas locais
e sistêmicas.
Nos primórdios, a base da evolução da Oncologia – da Medicina como um todo –
foram a observação e a experimentação empírica pouco estruturada, em sequências de
tentativas, erros e acertos, que paulatinamente modificaram a prática. O final do século
XIX testemunhou importantes avanços científicos na permanente luta da humanidade
contra o câncer. Até então, o tratamento da doença se baseava em cirurgias mutilantes.
Além do aperfeiçoamento das técnicas cirúrgicas, ocorreu desde então o
desenvolvimento de outras modalidades de tratamento.
A possibilidade de se utilizar a radiação como modalidade terapêutica foi inaugurada
pelos experimentos de Wilhelm Roentgen, que, em 1895, descobriu que os raios X
podiam passar através de materiais impenetráveis à luz. Nos anos seguintes, o avanço
nos conhecimentos na área impulsionados pelos trabalhos de Marie Curie e Pierre Curie
levaram ao desenvolvimento da radioterapia por feixe externo, amplamente utilizada nos
dias atuais. No mesmo período, em 1896, Thomas Beatson publicou um relato de três
casos sugerindo que a remoção cirúrgica dos ovários poderia controlar o câncer de
mama avançado, fundando as bases da hormonioterapia.
Já o desenvolvimento da quimioterapia contra o câncer foi diretamente impulsionado
pelas guerras mundiais. Em 1917, o gás mostarda foi utilizado pelo exército germânico
pela primeira vez, na famosa batalha de Ypres. Mas foi apenas em meados de 1940
que Louis Goodman e Alfred Gilman modificaram a estrutura do gás, desenvolvendo a
mostarda nitrogenada. Pouco tempo depois, Steward Alexander detectou importante
mielossupressão nos sobreviventes da explosão do SS John Harvey, um navio de
guerra carregado com gás mostarda. A partir dessa observação, 8

Goodman e Gilman, em conjunto com Gustaf Lindskog, puderam demonstrar pela
primeira vez o efeito antitumoral da mostarda nitrogenada em pacientes com linfomas
em 1946.
Cabe ressaltar, ainda, o papel pioneiro de Sydney Farber no desenvolvimento dos
análogos de folato. A partir da observação de que o uso de ácido fólico levava ao

agravamento do quadro de pacientes com neoplasias hematológicas, Farber de-
senvolveu o racional para que, em 1948, fosse demonstrado que o uso de agentes

antifolato poderia induzir remissão em pacientes com leucemias linfoides agudas. O

impacto revolucionário dessas terapias para doenças desprovidas, até então, de tra-
tamentos eficazes impulsionou as pesquisas que levaram ao desenvolvimento das

diversas classes de agentes quimioterápicos nos anos seguintes.

Mais recentemente, os conhecimentos adquiridos a partir da caracterização mo-
lecular das neoplasias permitiram novas descobertas, inaugurando uma nova era na

oncologia ao permitir a personalização dos tratamentos oncológicos. As terapias alvo,
voltadas a alterações moleculares específicas de cada tumor, e a imunoterapia, que
atua bloqueando mecanismos tumorais de evasão ao sistema imune, têm possibilitado
aumentar o controle em longo prazo de diversas neoplasias, inclusive com aumento das
chances de cura.
Nesta primeira edição do livro OS 100 TRIALS QUE MUDARAM A HISTÓRIA DA
ONCOLOGIA, procuramos reunir estudos clínicos que modificaram a prática de alguma
forma, que alteraram o paradigma do seu tempo e/ou que fizeram maior diferença
diretamente na vida dos pacientes com câncer. Devemos, entretanto, ressaltar que esta
não é uma lista exclusiva – muito mais estudos mudaram a história da Oncologia, talvez
incontáveis. A bem da verdade, atualmente a Oncologia tem se modificado em tempo
real, com novos estudos publicados constantemente.

Como profissionais de saúde, cientistas, pacientes ou familiares e amigos de pa-
cientes, não podemos deixar de externar nossa gratidão a todos os sujeitos de pesquisa

incluídos nesses estudos e por todo o esforço global na pesquisa em Oncologia,
beneficiando milhões de pessoas por todo o mundo.

Informação adicional

Peso 909 g
Dimensões 23 × 16 × 23 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “OS 100 TRIALS QUE MUDARAM A HISTÓRIA DA ONCOLOGIA”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Menu